Desafios e perspectivas da leitura entre adolescentes no Brasil - Revista Hover

Veja abaixo uma  abordagem através de “A Revolta do Buraco”

No Brasil, o hábito da leitura enfrenta desafios significativos, especialmente entre os adolescentes. De acordo com a pesquisa “Retratos da Leitura no Brasil”, as faixas etárias de 14 a 17 anos e de 18 a 24 anos apresentam a maior queda no número de leitores, com uma diminuição de 8 pontos percentuais. Além disso, a motivação para ler diminui significativamente à medida que a faixa etária aumenta, passando de 48% entre 5 e 10 anos para apenas 17% entre 18 e 24 anos.

Essa diminuição no interesse pela leitura pode ser atribuída à falta de mediação adequada por parte das famílias e dos professores, assim como à escassez de políticas públicas voltadas para a formação de leitores. Além disso, a pesquisa destaca a necessidade de investimento em bibliotecas e em profissionais que fomentem o hábito de leitura. Atualmente, apenas 17% da população brasileira frequenta bibliotecas regularmente, e a maioria o faz para fins de estudo ou pesquisa, em vez de leitura por prazer.

Para reverter essa tendência e incentivar o hábito da leitura entre os jovens, é crucial abordar fatores como o alto preço dos livros, a falta de livrarias acessíveis e a competição com outras formas de entretenimento. Programas de leitura que recebem doações de livros e os destinam a pessoas de baixa renda, bem como a atuação de influenciadores digitais focados em literatura, podem ser estratégias eficazes para estimular o interesse pela leitura entre os jovens.

Nesse contexto, obras como “A Revolta do Buraco”, de José Filipe Faro, surgem como importantes instrumentos literários para engajar os jovens leitores. O livro aborda questões sociais relevantes como igualdade, justiça social e divisão do trabalho, através de uma narrativa ficcional que espelha a realidade. Faro, formado em Publicidade pela Universidade Metodista e com experiência em marketing e ativismo social, utiliza a ficção como uma ferramenta para sensibilizar os jovens sobre essas questões.

“A Revolta do Buraco” não apenas oferece uma oportunidade de entretenimento, mas também desempenha um papel crucial na sensibilização dos jovens para questões sociais importantes. Através da ficção, o livro proporciona um espelho da realidade, permitindo que os leitores reflitam sobre o mundo ao seu redor e considerem seu próprio papel na sociedade. José Filipe Faro destaca a importância da obra para o público jovem: “Escrevi ‘A Revolta do Buraco’ com a intenção de dialogar com os jovens sobre temas que considero fundamentais para a construção de um mundo mais justo e igualitário. Acredito que a literatura tem o poder de abrir mentes e corações, e é essa a minha contribuição para a formação de leitores críticos e conscientes.”

Em suma, para engajar mais adolescentes na leitura, é fundamental explorar a diversidade de interesses literários e promover obras que abordem temáticas relevantes para esse público. Livros como “A Revolta do Buraco” podem ser aliados nesse processo, servindo como material de apoio para discussões em sala de aula e incentivando a reflexão crítica entre os estudantes.

Sobre “A Revolta do Buraco”:

“A Revolta do Buraco” é um romance que desafia convenções, mesclando ficção e realidade para abordar questões sociais contemporâneas. A história envolvente e as influências literárias diversificadas tornam a obra uma leitura obrigatória para aqueles que buscam uma narrativa única e provocativa.

Sobre José Filipe Faro

José Filipe Faro, formado em Publicidade pela Universidade Metodista, é uma figura notável na área de marketing e ativismo social. Iniciou sua carreira em agências de publicidade, seguida pela gestão da metalúrgica familiar, onde adquiriu experiência prática em administração e finanças. Seu espírito empreendedor o levou a co-fundar a Wheyme, uma vending machine de Whey Protein, conquistando clientes como SmartFit e JustFit.

Em 2018, Faro co-criou o Clube do Minhoca, um espaço de stand-up em São Paulo, com o humorista Patrick Maia, e também colaborou na fundação de uma produtora de conteúdo audiovisual e editora de livros focada em comédia. Seu engajamento em questões sociais cresceu ao participar de projetos como a Estamparia Social e uma cooperativa do MST na distribuição de alimentos desde 2020. Este percurso diversificado inspirou Faro a iniciar a escrita de um livro, unindo suas experiências em arte, ativismo e política.

Share.