Grupo Arruda faz Roda de Samba Acústica neste sábado(11), no Casarão do Firmino - Revista Hover

Abertura do evento é do Samba à Bangu. Nos intervalos a DJ Nicolle Neumann

Neste sábado (11), a partir das 18h, tem uma grande Roda de Samba Acústica com o Grupo Arruda no Casarão do Firmino. A ideia desse novo Projeto idealizado por Carlos Firmino, é trazer ao público a atmosfera das antigas rodas de samba, que eram realizadas de forma acústica nos anos 80, com muito canto livre e batida na palma da mão.

-“a ideia desse novo projeto no Casarão do é recriar a atmosfera de uma roda de samba onde o uso de microfone não tem influência em ditar o ritmo, a cadência e a melodia. A nossa intenção é nos moldes de antigamente, como uma espécie de regresso aos quintais” – finaliza Firmino.

A abertura do evento fica por conta do Samba à Bangu que já faz suas rodas de samba na zona oeste da cidade de modo acústico. Nos intervalos a DJ Nicolle Neumann animando a galera!

Cheguem cedo porque a casa lota, pois a procura pelo evento é muito grande, com chopp grátis de 18h às 19h30 e você não vai ficar de fora né?!.

Sobre o Grupo Arruda:

Com mais de 15 anos de carreira, o grupo Arruda passeia por clássicos do samba e músicas autorais. Representante do autêntico gênero, suas referências são Fundo de Quintal, Cartola, João Nogueira, Clara Nunes e Roberto Ribeiro, mas também admira o samba de roda da Bahia, explorando bem a baianidade de Caetano, Gerônimo e Roque Ferreira. O grupo adora o lado místico e religioso dos afrosambas, e tenta incutir em sua identidade uma mistura do que há de melhor em nossa música popular.

Sobre o Samba a Bangu:

“Samba à Bangu” é uma iniciativa cultural oriunda de Bangu, Zona Oeste da Cidade do RJ, que teve seu início nas ruas e praças do bairro, em julho de 2021. Este movimento começa através de um grupo de amigos de infância onde nenhum deles era músico renomado, porém amantes do samba acústico, cadenciados, daqueles à moda antiga, típicos dos fundos de quintais do subúrbio, e se origina da escassez local em oferecer música e lazer à população. Da carência em poder compartilhar do samba genuíno e democrático, de maneira espontânea e comprometida com valores sociais. Portanto, o Samba à Bangu define-se e legitima-se por meio do esforço autônomo de seus idealizadores em buscar e entregar alternativa cultural a um território que tanto necessita. Sendo sua realização somente possível por seus integrais esforços e dedicação. Frisando, então, a pronta referência da população local em grande número à proposta de uma Roda de Samba Inclusiva, diversa e comprometida com o bem-viver local. Desde a sua fundação o Samba à Bangu acumula em sua experiência públicos notáveis pelas praças e espaços em que se apresenta, consolidando-se como profícuo catalisador cultural, e hoje além do quintal aonde fazem o seu movimento mensalmente onde atraem pessoas de todo Rio de Janeiro inclusive turistas de todo Brasil, o Samba a Bangu se apresenta na Lapa, Praça Tiradentes, Madureira, e mensalmente em São Paulo, sendo, inclusive, reconhecido e exaltado por expoentes do Samba, locais e externos, ao seu território. Tendo dividido seus momentos e apresentações com artistas como: Marquinho PQD, Iracema Monteiro, Tiãozinho da Mocidade, Sylvinha Dufryer, Paulo Henrique Mocidade, Jorge André, Juninho Thybau, Gabrielzinho do Irajá.

Sobre a Casa, um “Palácio do Samba”, como é popularmente conhecido, localizado no berço da boemia carioca, no bairro da Lapa, entre o Centro e a zona sul do Rio de Janeiro, o Casarão do Firmino é conhecido pelas tradicionais rodas de samba que reúnem grandes nomes do cenário musical, pessoas de todos os cantos do Rio de Janeiro, além de turistas brasileiros e estrangeiros.

O idealizador do Casarão é o empresário Carlos Firmino, de 42 anos, que dá nome ao espaço cultural, que ocupa uma área coberta e ampla, de fácil acesso, situada na efervescência cultural do Rio. O Casarão também é símbolo de resistência. Os eventos buscam resgatar a essência do samba, com entradas gratuitas ou colaborativas, em que cada frequentador contribui se quiser e com quanto puder. O principal objetivo é manter vivo o ritmo que mexe com pessoas do mundo inteiro.

“Amarra a marimba e espalha a fofoca!” O bordão já é uma marca. A expressão criada por Carlos Firmino para divulgar as atrações do Casarão, hoje, é repetida por artistas e frequentadores assíduos do espaço mais concorrido da boêmia Lapa. E não apenas a frase ganhou fama. A fila que se estende pela rua da Relação e toma a calçada da esquina, na Lavradio, reforça que o Palácio do Samba é ponto de encontro de cariocas e turistas.

Aliás, o local parece estar mesmo na moda. É cada vez mais comum encontrar no estacionamento decorado – são samambaias, lâmpadas, placas e pinturas que celebram orixás e homenageiam Nelson Mandela – atores, atrizes, jornalistas, influenciadores digitais e grandes nomes do mundo do samba. Recentemente, Moacyr Luz, Xande de Pilares, Pique Novo, Sombrinha, Feyjão, Jorge Aragão passaram pela casa.

Vinny Santa Fé, Délcio Luiz, Gabriel da Muda, Nego Álvaro, Toninho Geraes e Serginho Meriti também estão sempre presentes e são sinônimo de sucesso de público. O grupo Arruda é outra atração que atrai fãs de todos os cantos da cidade, assim como o Pagode da Beta, potência dessa geração que não deixa o samba morrer.

SERVIÇO
Roda de Samba Acústica com os Grupos Arruda e Samba à Bangu. Nos intervalos a DJ Nicolle Neumann.
DATA: 11 de MAIO, SÁBADO
LOCAL: Rua da Relação, 19, na Lapa
HORÁRIO: A partir as 18h
ENTRADA COLABORATIVA

Classificação: 18 anos
Mais informações: 21 99926-5295

Share.