Autora best-seller do NY Times, Holly Black fala sobre o lançamento de "O Herdeiro Roubado" - Revista Hover

“O Trono do Prisioneiro” de Holly Black será lançado em 5 de março, publicado pela Hot Key Books

Após os chocantes eventos de “O Herdeiro Roubado”, o Príncipe Oak está em apuros mais profundos do que nunca. À medida que sua situação se torna mais precária, Oak está desesperado para encontrar uma saída, antes que todo Elfhame seja pego na tempestade que se aproxima.

O Príncipe Oak está pagando por sua traição. Preso no norte gelado e atado à vontade de uma nova rainha monstruosa, ele deve confiar em seu charme e cálculo para sobreviver. Com o Alto Rei Cardan e a Alta Rainha Jude prontos para usar todos os meios necessários para recuperar seu herdeiro roubado, será que Oak deve tentar recuperar a confiança da garota que ele sempre amou, ou permanecer leal a Elfhame e entregar os meios para acabar com seu reinado — mesmo que isso signifique acabar com Wren também.

Com a guerra se aproximando e a traição espreitando em cada esquina, nem a astúcia nem o engenho de Oak serão suficientes para manter vivos todos aqueles que ele ama. Ele terá algumas escolhas terríveis a fazer. O fantasia número 1 em vendas, “O Herdeiro Roubado”, também será publicado em brochura, em 5 de março de 2024.

Holly Black é a autora número 1 em vendas do New York Times de livros de fantasia, incluindo os romances de Elfhame, “A Garota Mais Fria de Coldtown”, as Crônicas de Spiderwick, seu debut para adultos, “Livro da Noite”, bem como um livro ilustrado arturiano chamado “Sir Morien”. Ela foi finalista do Prêmio Eisner e do Prêmio Lodestar, e recebedora do Prêmio Mythopoeic, um Nebula e uma Menção Honrosa Newbery. Seus livros foram traduzidos para 32 idiomas em todo o mundo e adaptados para o cinema. Atualmente, ela vive na Nova Inglaterra com seu marido e filho em uma casa com uma biblioteca secreta. “O Trono do Prisioneiro” é o mais recente romance de Holly, a conclusão do best-seller número 1 “O Herdeiro Roubado”.

Como você descreveria a jornada do Príncipe Oak de “O Herdeiro Roubado” para “O Trono do Prisioneiro”?

Em “O Herdeiro Roubado”, vemos os eventos do ponto de vista de Wren. A mudança para o ponto de vista de Oak coloca os eventos do primeiro livro sob uma luz diferente. E, se você leu “O Herdeiro Roubado”, então sabe que, no final do romance, Oak se encontrou preso pela garota que ama, então ele está começando “O Trono do Prisioneiro” com muitos novos problemas.

Oak está enfrentando desafios ainda maiores nesta sequência. O que os leitores podem esperar em termos de reviravoltas e desenvolvimento de personagens?

É difícil saber como falar sobre reviravoltas, mas acho que “O Trono do Prisioneiro” nos permite ver os aspectos dos poderes e da posição de Oak que o assombram e o fazem se sentir incapaz de estar verdadeiramente próximo das pessoas que ama.

Como o ambiente de Elfhame influencia os eventos e personagens neste livro?

Parte do romance se passa de volta nas ilhas de Elfhame, então a dinâmica familiar entrelaçada e a política lá são parte do que os personagens têm que enfrentar. Oak sendo herdeiro do trono — e o desejo de Jude de nunca negar-lhe essa posição — complicam seu relacionamento com suas irmãs, mãe e pai.

Pode nos contar um pouco sobre a dinâmica entre o Alto Rei Cardan e a Alta Rainha Jude neste volume?

Eles têm governado Elfhame por muitos anos, então tiveram tempo para se acostumar a estar no poder e a estar juntos. Acho que eles ainda são muito eles mesmos, embora, e suas prioridades nem sempre são as mesmas.

Além do conflito central, quais outros temas ou mensagens você espera que os leitores absorvam ao ler “O Trono do Prisioneiro”?

Se a série “O Povo do Ar” faz perguntas sobre quão monstruoso alguém está disposto a se tornar pelo poder, então acho que esta duologia faz perguntas sobre o que significa recusar o poder por medo da própria monstruosidade interior.

Qual foi o processo de escrita deste livro em comparação com os volumes anteriores da série?

Em “O Herdeiro Roubado”, tive que tomar muitas decisões sobre Wren e Oak como pessoas, então cheguei a “O Trono do Prisioneiro” com uma boa compreensão de quem Oak era, mas ainda é um desafio mergulhar mais profundamente em um personagem. E porque estávamos voltando a Elfhame, havia o desafio de equilibrar personagens já bem conhecidos por muitos leitores da duologia com os protagonistas reais destes livros.

Você é conhecida por criar mundos ricos e personagens complexos. Como você equilibra a construção do mundo de Elfhame com o desenvolvimento dos personagens nesta conclusão da série?

Obrigada! Acho que o importante em um livro como este é dar a todos o seu momento de ser astuto e também o seu momento de vulnerabilidade — e para Oak e Wren, dar a cada um uma conclusão para a sua história que seja sobre as suas jornadas individuais, bem como juntos.

Finalmente, que tipo de impacto você espera que “O Trono do Prisioneiro” tenha nos leitores e na série como um todo?

Essa é uma pergunta interessante! Acho que Wren e Oak são personagens muito diferentes dos que costumo escrever e espero que os leitores se vejam neles. Quanto à série, espero que os leitores gostem de estar de volta a Elfhame e estejam satisfeitos com a jornada que fizemos e ansiosos pelo que vem a seguir.

Siga Holly Black no Instagram

Share.